sexta-feira, 11 de julho de 2014

Enredos




A renda que o céu tece ainda dia
Sugere-me quase sempre um enredo.
Com tais imagens tenho a ousadia 
De traduzir em versos algum segredo.

E talho do céu cores e contornos,
Narrando episódios, que da mente,
Muito ou pouco servem de adornos
Pr'algumas histórias, que simplesmente,

Jazem perdidas nos tantos labirintos,
Onde moram lembranças e sentimentos,
Ou mesmo os devaneios extintos
Do meu eu perdido em pensamentos.

Nenhum comentário: