quarta-feira, 11 de junho de 2014

Sina


Eu não a acho, se a procuro.
Eu não a encontro, se a busco.
Só oportunamente a encontro,
De modo inesperado, brusco.

Não importa se é escuro ou claro;
Se há treva ou clarão do dia.
Mesmo que seja difícil, raro,
Tudo se dará sem ousadia

No exato instante em que traçado
O meu enredo, a minha sina,
Acontece o que é planejado.
E de nada vale ser peregrina,

Buscando assim novo norte,
Se a força da minha trajetória
Sobrepõe-se à escapatória
Que eu arrisco da minha sorte.

Nenhum comentário: