terça-feira, 22 de abril de 2014

Flor ao Sol (Dama Suspensa)


Dama suspensa, a flor arde
Sob calor inclemente, 
Aspirando ao fim da tarde,
Quando o Sol quase  ausente,

Vai sumindo no ponente, 
Lentamente, sem alarde.
Dama suspensa, a flor arde,
Sob calor inclemente,

Enquanto não finda a tarde,
E o Sol, ainda presente.
Teme a flor que ele retarde
A sua partida ao poente.
Dama suspensa, a flor arde.

Nenhum comentário: