domingo, 2 de março de 2014

Flor Despetalada


Flor despetalada,

Solitária, 
Que não habita um jardim.

Que habita o cume de um monte

E sozinha mora,
Em meio ao sem-fim.

Seu horizonte

Está acima da linha,
Pois a toda hora

Lamenta a imparidade

De sua alma
De cisne mudo.

Contudo, prefere

A calma
Da disparidade,

Pois é  convicta

De que o exílio
É sua liberdade.

Flor do cume

Inaudita
Sem beleza

Sem perfume

Flor-desdita
Indefesa.

Nenhum comentário: