sexta-feira, 28 de março de 2014

Desencontro


Sinto que você escorrega pelos vãos dos momentos.
Sinto-lhe escorregar dolorosa e lentamente 
Entre ofensas e lamentos.
E não sei bem como lhe segurar.
É estranho; não quero que se vá,
Mas não consigo fazer nada.
Fico então observando,
Inerte, atrapalhada,
As horas indo e você passando.
Passando por mim...
Mas eu não estou ficando.
Eu também estou partindo.
E isso é tão ruim!
Estamos no mesmo barco,
Mas indo para bem além,
Pois estou indo também.
Não estamos no mesmo rumo.
Perdemos o norte, o prumo,
Mas eu queria que ficasse
E que comigo encontrasse
Um caminho em comum,
Para que nossos rumos se tornassem apenas um.

Nenhum comentário: