domingo, 29 de setembro de 2013

Como o voo do Cuitelinho (Intertexto de Cuitelinho – Texto de Paulo Vanzolini e Antônio Xandó)

Cheguei coa vista turva
Que as garça num mais via.
Meu olhá dava até curva,
Meu pensá se debatia.
Como o voo do cuitelinho,
Enquanto a rosa lambia.

Estando eu noutras terra,
Já depois da despedida,
Minha saudade era uma guerra
Incapaz de ser vencida.
Pior que a revolução,
Em terras desconhecida.

A tua saudade tinha porta,
Sem cadeado e vigia.
Meu coração prisioneiro,
Tinha chave e não fugia.
E eu de saudade tonto
Os óio d'água enchia.

Nenhum comentário: