sexta-feira, 7 de junho de 2013

À beira do caminho



À beira do caminho;
Trajeto suspenso.
Ideias em desalinho;
Eu penso e repenso.

Eu sou passarinho;
Tenho um horizonte imenso.
Traço, pois, devagarinho
O rumo pretenso.

Longe do burburinho
Do dia a dia denso,
O lusco-fusco é-me carinho;
É-me refúgio intenso.

Mas, ao voltar, me avizinho
De tudo o que é mais tenso.
E o meu lado passarinho
Vai-se e volta-me o senso.

Nenhum comentário: