sábado, 3 de novembro de 2012

Expectação



Em hora de você chegar
Caía o outono e erguia-se o verão
Soava um canto agudo, um bailar
Que me inquietava o coração.

Era a incerteza de sua presença
E o desequilíbrio me visitava a alma
Minha mão minava, faltava-me crença
E ao me resignar me vinha logo a calma.

Quando ao chegar como quem não avisa
Abraçavam-me de repente você e a brisa 
Aquietando-me ao contentar-me a alma.

Sua presença que muito esperada
Endoidecia-me, pondo-me encantada
Não me importando mais uma vivalma.

Nenhum comentário: