quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Fingimento






Era para ser verdadeiro
Era para dar certo
Como flores a encher um canteiro
Era para vingar
Ser eterno o sorriso, fiel o olhar
Nada era incerto naquela hora
Como nada é certo agora
Nada daquilo existiu
Isso enfeiou o panorama
Tornou cinza a vida
E fez feia a trama
O que era belo partiu
Parece que o mundo se descoloriu
Foram-se os dias felizes
As vastas cores e suas matizes
Só o cinza perdurou
Persistente,
E triste, abatido
Persiste assim, combalido
Descolorindo esses dias vãos
Desbotando o verde do chão
Mas sem vaidade
Cumprindo sua sina
Nessa grande tempestade sem cor
Nesse castelo em ruínas
Em que tudo se transformou
E alojou-se um amargor, um grande dissabor
Que para tudo desanima
Num mundo agora sem cor
Numa dor que alucina.

Nenhum comentário: