sexta-feira, 13 de julho de 2012

Vendo-te



Vejo-te às vezes como um menino.

Um menino caprichoso e ingênuo
Teimando com a vida.
Impetuoso e seguro de si,
Mas tão carente,
Tão sem mim...
E ao te olhar às vezes,
Vejo-te um grande homem.
Um homem honesto.
Desses que não mais existem.
Tão inseguro consigo mesmo.
E tão carente de mim...
Um homem que só deseja ser feliz
E fazer-me bem feliz.
Um homem irresistível.
E menino como todos os homens são diante do amor.
Um homem maduro como todos os homens conseguem ser
Quando querem encantar uma mulher.
E assim, vejo-te, enfim,
Apenas o homem que és.
Exatamente como amo, tal como és...

Nenhum comentário: