sábado, 30 de abril de 2011

Chuva



As lágrimas dos anjos
caem numa mágoa compulsiva ou contida,
molhando a cidade.

Um comentário:

José Sousa disse...

Oi amiga Suely!
Lindo poema! Com apenas duas palavras se fez um grande poema, gostei.
Conheça o meu novo blog:

transpondo-barreiras.blogspot.com/

Um beijão