domingo, 24 de abril de 2011

O Palhaço


Seu sorriso é constante
Faz a garotada rir
Não tem nada de elegante
No andar e no vestir.
Lá no picadeiro imenso
Anda alegre e faceiro
Pras suas lágrimas não há lenço
Pois seu choro é costumeiro.
Diz o que lhe dá na telha
Faz piruetas legais
Nariz de bola vermelha
Voz de imitar animais.
Ao seu parceiro incomoda
Com piadas sem cessar
Canta músicas de roda
Dança pra lá e pra cá.
No fim do show tá cansado
De sorrir o tempo inteiro
Calça de fundo rasgado
Bolso pedindo dinheiro.
Não tem fim sua carreira
Palhaço não se aposenta
Em pé quase a vida inteira
A alegria ostenta.
Mesmo vivendo sorrindo
Nem sempre contente está
Mas precisa ir construindo
Formas de se gargalhar.




Nenhum comentário: