quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Agosto em Plenilúnio (Túlio Monteiro)

E tu, notívaga dama     
Segue singrando lenta
O plenilúnio de agosto
A luz de prata
Que teu corpo refrata
Banha a areia iluminando
O pedaço de oceano
Que me anima os pés
A noite emudecida traz
Do silencioso mar deserto
Um mistral de distante soprado
revolvem-se os cabelos
Eriçam-se os pêlos
E um sorriso farto
Acende-me o rosto
Ao te ver chegando
Qual barco meu 
Em porto sempre seguro.

Nenhum comentário: